sábado, 29 de julho de 2017

Palmeiras joga fácil e vence o Avaí

(Foto: Ale Cabral/AGIF)

Avaí com a postura de sempre: fechado jogando por uma bola.
Na Arena do Palmeiras não funcionou.
O time paulista soube jogar o jogo, tocou bem a bola e com um elenco bem acima do nosso venceu o jogo por 2 x 0.
Juan, que não vem jogando bem, tomou um amarelo e continuou reclamando com o fortão Daronco. Tomou o vermelho e deixou o nosso time na mão. Juan foi um abobado e Daronco um babaca. O maior prejudicado? O nosso time. Já sendo dominado com 11 em campo, com 10 o Palmeiras administrou o segundo tempo facilmente porque foi muito pouco ameaçado pelo Avaí.
Jogar com um time que sabe tocar a bola tendo em campo uma meia cancha limitada é preciso muita incompetência do adversário para não vencer o jogo. O Palmeira foi eficiente e venceu.
Nosso elenco é limitado. Falta qualidade na meia, Capa não está jogando bem a série A, Judson tem sido o cara que marca com mais qualidade e só.  É muito pouco para uma meia cancha que joga a série A. Quando tomamos um gol fica difícil reverter,  porque esse time não sabe sair para o jogo. Laterais limitados e meia cancha sem um camisa 10. 
Deu pena do Joel hoje. Dutra não repetiu as partidas anteriores.
Palmeiras venceu e não venceu de mais porque ficou administrando apenas o placar.

FICHA TÉCNICA 

PALMEIRAS 2 X 0 AVAÍ 
Local: Allianz Parque, São Paulo (SP) 
Data-Hora: 29/7/2017 - 19h 
Árbitro: Anderson Daronco (Fifa-RS) 
Auxiliares: Rafael da Silva Alves (RS) e Elio Nepomuceno de Andrade Junior (RS) 
Público/renda: 33.633 pagantes/R$ 2.139.243,95 
Cartões amarelos: Deyverson (PAL), Joel e Juan (AVA) 
Cartões vermelhos: Juan (AVA), aos 45'/1ºT 
Gols: Dudu (10'/1ºT) (1-0), Deyverson (34'/1ºT) (2-0) 

PALMEIRAS: Jailson; Mayke, Mina (Edu Dracena, aos 18'/2ºT), Luan e Egídio; Bruno Henrique, Jean e Guerra (Raphael Veiga, aos 26'/1ºT); Róger Guedes (Keno, aos 29'/2ºT), Dudu e Deyverson. Técnico: Cuca. 

AVAÍ: Douglas; Leandro Silva, Alemão, Betão e Capa; Judson, Wellington Simião (Diego Tavares, aos 15'/2ºT), Juan e Pedro Castro; Junior Dutra (Maurinho, aos 29'/2ºT) e Joel (Rômulo, aos 35'/2ºT). Técnico: Claudinei Oliveira. 

domingo, 23 de julho de 2017

Domingo de vitória Avaiana

Júnior Dutra marcou o gol da vitória. Foto: AvaíFC 

Uma vitória da garra e de muita competência da defesa Avaiana.
Douglas, Alemão e Betão beiraram a perfeição. Aqui não tem cabo, só sargentão!
Júnior Dutra, novamente, foi o melhor homem de frente do Avaí. Tão fantástico que a 'gorduchinha' não permitiu ao Pedro Castro acertar a bola no cruzamento do Leandro Silva. A redondinha escapou do volante e procurou o cara do jogo. Dutra aceitou o carinho e fez a dona do jogo beijar a rede adversária. 
João Paulo se comportou bem na defesa, Leandro Silva fez uma boa partida e Joel se movimentou muito, mas não sobrou uma pra ele guardar.
Juan pode render mais, jogou muito pelo lado do campos e apareceu muito pouco para o jogo. Pedro Castro e Simião marcam muito de longe e são limitados na saída para o jogo. Judson esteve bem na partida.
O Cruzeiro é um time que marca bem, não desmancha e procurou de todas as maneiras um jeito de furar a muralha Avaiana. Não conseguiu.
Uma vitória merecida, três pontos somados e muito trabalho pela frente.
Séria A não perdoa os fracos. O Avaí precisa continuar crescendo na competição e Claudinei precisa de mais reforços para deixar o Avaí mais forte. Principalmente na meia cancha. 

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Que 'côsa': o chute do Joel bateu na trave

Foto: Jamira Furlani/Avaí FC

Focado e bem postando, o Avaí soube enfrentar o líder do campeonato e por detalhe não saiu vencedor. O empate em zero a zero não condiz com o bom jogo dessa quarta na Ressacada.
Júnior Dutra jogou muito bola e a zaga avaiana, novamente, soube se postar corretamente diante das estocadas do Corinthians, principalmente a boa e constante movimentação do atacante Jô.  Uma pena que o Joel apareceu pouco no jogo e na bola que conseguiu chutar a gol... a 'gorduchinha' bateu na trave.
Juan começou aberto pelo lado direito e ficou um pouco sumido, mas quando trocou de lado com o Júnior Dutra apareceu mais no jogo. Tem que aparecer mais no jogo. O homem do jogo foi Júnior Dutra. O cara jogou muita bola os noventa minutos. 
Pedro Costa e Simião estiverem bem na partida e Judson mesmo um pouco abaixo dos dois, não comprometeu.
Leandro Silva tomou algumas bolas na costa, mas teve sempre uma cobertura perfeita do Alemão. Mas o cruzamento mais perigoso partiu do lateral direito, que Simião por muito pouco não marcou.
Capa na defesa não comprometeu, mas no ataque apareceu sem muita chances de cruzamentos.
Um bom jogo do Avaí.
Claudinei saiu com o time certo, fez substituições na tentativa de vencer a partida com a entrada do Rômulo, por cansaço do Juan, e do Marquinhos no lugar do Simião. O galego conseguiu meteu uma bola para o Rômulo que optou por não chutar a gol e passar para Dutra que se movimentava ao seu lado, mas tocou fraco na bola e a zaga Corinthiana cortou. Tirou Judson por cansaço e colocou Lucas Otávio.
Que esse empate faça o Avaí ver que precisa jogar focado e bem postado todos os jogos. Foi assim contra o Grêmio, mas no jogo seguinte contra o Coritiba não repetiu a mesma postura em campo. Contra o Cruzeiro precisa jogar no mesmo nível e claro, fazer a rede balançar.

AVAÍ: Douglas; Leandro Silva, Alemão, Betão e Capa; Judson (Lucas Otávio), Wellington Simião (Marquinhos), Pedro Castro e Juan (Romulo); Junior Dutra e Joel. Técnico: Claudinei Oliveira.

CORINTHIANS: Cássio; Fagner; Pablo (Pedro Henrique), Balbuena e Guilherme Arana; Gabriel (Kazin), Maycon, Rodriguinho, Jadson (Marquinhos Gabriel) e Romero; Jô. Técnico: Fábio Carille

domingo, 9 de julho de 2017

Competência, bravura e sincronicidade: vitória!

Goleiro Douglas comemora defesa de pênalti batido por Edílson
Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Competência, bravura e muita sincronicidade.
A vitória Avaiana em plena arena do Grêmio veio assim:
1) Competência do goleiro Douglas;
2) Bravura de todos que estiveram em campo;
3) sincronicidade entre a necessidade que exigiu as trocas que Claudinei fez.

A primeira troca veio desde o jogo contra o Botafogo: precisou Maurício cometer um falha crucial para que Claudinei se convencer do que a maioria já sabia. A troca dos goleiros fez toda a grande diferença nas três últimas partidas;
a segunda troca foi no jogo de hoje: a saída por lesão do Luan fez Claudinei colocar em campo Simião e ele não apenas abriu o placar, com um golaço,  como deixou a meia cancha avaiana mais qualificada e mais, Judson joga melhor sem Luan jogando ao seu lado;
depois Claudinei trocou Rômulo por Júnior Dutra e o segundo gol avaiano veio dos pés, novamente, de outro cara que saiu do banco e mais, com passe de outro que saiu do banco, Willians (entrou no lugar do Juan). Nova sincronicidade: mais um gol que contou com dois jogadores que vieram do banco.

Mas é impossível falar dessa vitória sem hiper valorizar a atuação magistral do goleiro Douglas.
Todo mundo sabe que o 'se' não joga, mas todo Avaiano sabe que 'se' Douglas não estivesse no gol no jogo de hoje, nos sofreríamos uma derrota em Porto Alegre. Goleiro que sabe se colocar, sabe sair do gol e hoje ainda soube antever como seria a batida do pênalti de Edílson.

O Grêmio teve uma média de 70% de posse de bola. Atacou o Avaí o tempo todo, mas quando a nossa boa defesa era envolvida, o ataque gremista não conseguiu nunca vencer o nosso arqueiro, nosso paredão, nosso guardião.

O Avaí de Claudinei entrou com uma proposta de jogo: empatar. Essa proposta estava dando certo porque Douglas estava em campo e essa proposta foi além do que Claudinei desejava porque Simião, devido a lesão de Luan, entrou e marcou o primeiro gol e Júnior Dutra também, pra definir a vitória a nosso favor.
Valeu a raça, a luta e a bravura dos jogadores; a excelência do arqueiro e os pés calibrados de Simião e Dutra.
Quinta feira é com a gente, 'camisas 12': Todos pra Ressacada! 

domingo, 2 de julho de 2017

Pra se lamentar (e muito) esse empate

Guilherme Hahn/AGIF

Uma meia cancha  com apenas um jogador que sabe tocar a bola, Juan; o Avaí fez um jogo sem muitas chances de gol contra um Ponte Preta fechadinha. Muito erros de passes e nenhuma tabela que pudesse abrir a retranca do seu adversário, o Avaí teve um chute a gol do Joel que a bola acabou indo pra fora; um chute do Rômulo que teve defesa com rebote do Aranha, mas o zagueiro conseguiu se antecipar a Pedro Castro. Muito pouco para um time que jogou em casa contra um adversário que veio para empatar.

Joel fez novamente uma boa partida, mas a bola chegou muito pouco nele.
Alemão e Betão estiveram bem na defesa.
Luan e Judson não sabem sair tocando a bola quando ela passa por eles ou mesmo quando a recuperam e o contra ataque Avaiano morre já na meia cancha.
Capa até se movimenta bem e tem muita vontade, mas erra passes em demasia e peca pela precipitação.
Rômulo tem que ir e voltar até a linha de defesa para ajudar na marcação. Mata qualquer atacante.
Ruan enquanto teve folego foi o único cara consciente da meia cancha. Depois do 15 do segundo tempo, cansou.
Pedro Castro se movimenta pouco. Tem que render mais, criar mais.
Júnior Dutra, quando entrou, foi jogar na posição errada. Não rende fazendo a meia. Tem que jogar mais na frente.
Simião poderia ter entrado jogando no lugar de um dois volantes. Entrou tarde, não fez muita coisa no jogo.
Leandro Silva jogou o primeiro tempo e saiu machucado. Não vinha rendendo. Tavares entrou em seu lugar e apareceu mais no ataque com jogadas pela ala.
Douglas prova a cada jogo que ele já deveria ser o titular a muito tempo.

O Galego fez falta nessa partida. Nenhuma tabela? Ensina pros caras, M10!
A Ponte Preta fechada e o Claudinei não ousou nem mesmo assim.
Jogo para o Avaí ter vencido se Claudinei saísse da sua mesmice. Sem esquecer que temos um elenco com carências sérias.
Pra se lamentar (e muito) esse empate.