domingo, 20 de janeiro de 2019

Jogo fraco: ninguém mereceu vencer

 Foto: Julio Cesar/JEC

Pelo futebol apresentando diante do JEC o Avaí não mereceu melhor sorte do que o empate.
O Joinville saiu na frente numa bobeira do lateral Alex Silva e o Avaí empatou com João Paulo.
No primeiro tempo um chute a gol do nosso time e um gol.

No segundo tempo Geninho colocou Lourenço no lugar do Daniel Amorim, Caio no lugar do Jones Carioca e mais para o final da partida, colocou Moritz no lugar João Paulo.
Geninho além de demorar para mexer, na minha opinião mexeu mal.
Lourenço entrou muito mal. Caio não vi no jogo e Moritz, pelo pouco tempo que jogou mostrou que poderia ter entrado bem antes na partida.
Luan Pereira deve estar treinando muito mal, porque ser preterido para as entradas do Lourenço e do Caio é coisa que não entendo.
Claro que sabemos do pouco tempo da pré temporada, do cansaço pelo início da temporada e  pelo calor, mas o Avaí poderia ter mostrado um pouco mais de futebol diante do Joinville.
Melhor jogador da partida foi Getúlio. Nossa camisa 10 fez o gol, mas jogou muito aberto, pouco participativo na meia cancha. Nossos laterais quase não apareceram na partida e Alex Silva ficou devendo novamente. Marquinhos e Betão novamente bem no jogo.
Matheus Barbosa e Pedro Castro são limitados, mas não comprometeram.
Um empate merecido num jogo fraco do nosso Avaí.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Iniciamos 2019 com goleada!

Leão da Ilha largou com goleada a busca pelo Título Estadual 2019 – FOTO: Frederico Tadeu / AVAÍ F.C.

Avaianos(as), após um bom tempo afastada do blog, estamos voltando esse ano, um ano de Primeira. Coisa mais 'quirida'.
Agora é focar no estadual e seguir reto toda vida.
Nossa estréia foi de primeira.
Vindo de um pré temporada curta, o Avaí soube jogar seu primeiro jogo com velocidade, consistência e bem postado dentro de campo. Um bom começo.
Claro que Geninho não vai se empolgar com esses quatro a zero e sabe o que vai precisar fazer durante o ano para fazer o Leão rugir mais forte a cada jogo.
Uma boa partida, com apenas uma chance real de gol para o Metropolitano e com quatro gols de jogadas bem trabalhadas.
João Paulo, vestindo a nossa gloriosa camisa 10, é um baixinho talentoso e mostrou que conhece do 'riscado'. Com mais jogos e mais conhecimento de seus companheiros, tem futebol pra vestir com orgulho a nossa camisa mais famosa. Foi premiado com um belo gol.
Alex vai render mais e Matheus Barbosa e Pedro Castro estiverem bem no jogo de hoje.
Nossos atacantes deixaram cada um seu gol: Getúlio, Daniel e Jones. 
Betão e Marquinhos Silva (jogou muito) são zagueiros de confiança.
Avaí 4 x 0 Metropolitano.
Que venha o título de 2019 para a bela ilha de Santa Catarina.
Assim seja!

sábado, 8 de setembro de 2018

Um pouquinho mais, Avaí!

Foto: RICARDO LIMA / FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O nosso Avaí precisa arrumar algumas peças em campo rapidamente.
O bom jogo que fizemos no Clássico foi estéril e de lá pra cá, mesmo vencendo em casa na partida seguinte, fizemos um jogo ruim assim como foi ruim o futebol do Avaí ontem diante do Paysandu.  
A defesa Avaiana vem cometendo erros que não cometia.  O lado direito com Guga e Airton não está funcionando. Por ali os nosso adversários entram com facilidade. 
Está na hora de Geninho manter Marquinhos Silva na zaga e de Guga voltar a mostrar seu bom futebol. Além disso, a quantidade de passes errados nos últimos jogos impressiona. Meia cancha tem apenas Judson, um carregador de piano. Capa.... não vou nem comentar. Beltran só sabe jogar bola com a cabeça.  Renato e Romulo não recebem mais bolas com qualidade no ataque e mesmo quando saem pra buscar jogo, erram o último passe ou o chute no gol. Rodrigão faz falta.  Marquinhos muita falta e a venda do Alemão... pode nos custar muito caro se Geninho não arrumar a defesa pra ontem.

Chegaram novos jogadores. Tomara que eles possam nos ajudar nesse returno. Não precisa ser craque não, conhecer um pouquinho das quatro linhas e saber bater na 'gorduchinha' já vai nos ajudar e muito. Gabriel entrou bem nos jogos. Daniel entrou ontem e fez o gol Avaiano.

Lamentável a derrota de ontem. Contra um time fraco, que estava na zona de rebaixamento, o Avaí teve um desempenho pífio e preocupante. Enquanto não tem em campo um meia com qualidade, o Avaí precisa fazer voltar a funcionar as suas saídas de bola pelas alas e caprichar mais nos passes. 
Estamos na briga e esse campeonato é um dos mais fáceis para subir.  Uns ajustes na defesa e menos erros nos passes nos bastariam para conquistar o acesso. Se deixar escapar essa chance é de se lamentar e muito e não haverá justificativa para tal fracasso. O campeonato está aberto e um Clube como o Avaí não pode e não deve deixar de aproveitar essa facilidade que 2018 apresenta.
Jogar um pouquinho, só um pouquinho mais de bola, nos garantirá o acesso.
  

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Beija a estrela por nós, Marcos!



Fica difícil entender quando é o 'último' do Primeiro.
E não tem o que entender mesmo.
Santos não se enquadra nos parametros dos simples mortais.
Ele se eleva porque cremos e vemos seus feitos de pura paixão.
Santos no azul e pelo azul. Por nós!
Um azul tão pleno o veste e a seus seguidores e ofusca as criaturas de pouca fé.
Esses não tem salvação?
Santos também luta por esses.
Por todos nós!

- Último, último, último! Repetem todos na tentativa de se auto convencerem daquilo que não entendem.
Esse repetir vira mantra e chega ao divino que há em nós, a conversão é imediata:
Santos é para sempre!
Eterno homem divino que no clássico desclassifica a si mesmo e encarna todas as criaturas crentes e descrentes com seu amor incondicional por esta nação.
Santos, és nosso primeiro!
Santos nunca teve e nunca terá, em nada,  um último ato. Nem no ontem, nem no hoje e nos amanhãs.
Marcasses, Marcas, Marcamos, Marcos para sempre!
És clássico. O clássico mito por quem cantam os anjos e tocam as trombetas no azul que está acima de nós, e que num gesto de pura graça nos foi permito estar dentro de nós. Corre em nossas veias, pulsa em nossos corações e infla nossos pulmões como se fossemos um só: Ele!
E é isso que impede e impedirá qualquer 'último' Teu: nós!
Portanto, Avaianos, cantemos em uma só voz:
Santos, Santos, Santos, jamais terás um 'último´nem aqui, nem lá.
Beija a estrela por nós, Marcos!



terça-feira, 14 de agosto de 2018

Um ponto com um a mais em campo

Com um belo gol do Renato no primeiro tempo, o Avaí deixou escapar a vitória no final do jogo porque não soube jogar com um a mais diante do Brasil de Pelotas.
Um jogo no primeiro tempo e outro no segundo!
A saída do Andre Moritz tirou a cadência correta que o meia implantou no jogo. Passando a errar muitos passes, fazer muitas faltas e perder um gol imperdível. O Avaí viu o Pelotas, apoiado por sua torcida, vir para o sufoco. E o jogo só não foi empatado antes porque Betão salvou um gol feito.
Luan Pereira vinha bem no jogo, mas Geninho o substitui por precaução. Já tinha amarelo. Lourenço entrou em seu lugar e foi nos pés dele que um contra ataque que mataria o jogo foi desperdiçado bisonhamente. Ele tentou fazer um chute colocado quando poderia ter servido Rodrigão que estava de frente pro gol. Errou o chute. E no contra ataque o Brasil que não se entregou em momento algum, empatou a partida.
Capa não acertou nenhum cruzamento; Renato só fez o gol; Guga tentou muitas escapadas e teve também duas chances para marcar. Luan quase entregou o segundo para os gaúchos; a zaga e Judson estiverem bem. Rodrigão lutou muito. Aranha salvou o gol da virada. 
Pontos perdidos de uma maneira injustificável.
Cabeça quente, muito quente nesse momento!

sexta-feira, 27 de julho de 2018

Avaí deixa de vencer mais uma em casa

Foto: Jamira Furlani/Avaí FC

Avaí fez um bom primeiro tempo, mas não marcou.
Com mais qualidade na meia cancha com Moritz em campo, sempre que a bola passou por ele o Avaí conseguia criar jogadas para o ataque. Rodrigão, presente e participando das jogadas, infeliz perdeu as chances para marcar.
Guga era a outra única opção de saída para o ataque. Capa não apareceu bem nem na frente, nem na defesa.
Renato fechando muito pelo meio, caindo muito e sem vontade, não repediu suas partidas anteriores.
Romulo, pra azar dele, joga na ala do Capa. Um jogador que se levantasse a cabeça e pensasse um pouco...
No segundo tempo Geninho mexeu, e mexeu mal. Tirou Moritz (não deveria ter saído) e ao invés de colocar Marquinhos para continuar com qualidade na meia, optou por Getúlio. Tirou Rodrigão e colocou Beltrán. Quem deveria sair do jogo era Renato. Moritz, se não pediu pra sair deveria ter continuado na partida e Rodrigão também. Bagunçou tudo!
Não sei como o Guga aguentou o segundo tempo. O Avaí busca sempre ele e nesse jogo Renato disperso, não encostou no melhor jogador do Avaí que sem ninguém para tabelar, teve que cruzar todas para área. 
Beltrán teve uma chance, mas também não marcou.
Faltando 5 minutos para terminar o jogo e com a torcida chamando o nome do Marquinhos, Geninho colocou o nosso camisa 10. Pra jogar 9 minutos somando os acréscimos? Num jogo com muitas bolas paradas a nosso favor.
Judson conseguiu ser expulso nos acréscimos do jogo. 
Mais um partida sem vencer em casa diante de um time que não nos ameaçou.
"Tão de sacanagem!"

terça-feira, 17 de julho de 2018

Quando o mestre ouve o vaga-lume...

Foto: Jamira Furlani/Avaí F.C oficial

Novamente o Avaí deixou de ganhar um jogo na Ressacada.
Jogando o  primeiro tempo sem nenhum meia de ligação, o Avaí buscou o ataque com apenas Guga escapando pela ala, mas seu a presença do Renato. Getúlio não esteve bem. Beltran ganhava todas as disputas de cabeça nas bolas alçadas pra ele, mas o Avaí não tinha um centro avante dentro da área. Romulo jogou isolado na outra ala, porque João Paulo fez uma partida abaixo da crítica.
Matheus Barbosa e Pedro Castro não sabem sair com qualidade para o ataque e assim, o Avaí teve o domínio do jogo, mas sem nenhuma inspiração na sua meia cancha.
(Joga em casa com 3 zagueiros e dois volantes abrindo mão de um meia criativo e um lateral que não defende nem apoia? E quer ganhar o jogo de um time que veio para empatar e cozinhou o jogo o tempo todo? O Atlético não ameaçou o Avaí. Conseguiu chegar apenas duas vezes com perigo. Jogou cadenciado, fazendo cera e esperando o fraco árbitro apitar o final da partida.

Geninho voltou com o mesmo time para o segundo tempo e quando mexeu... meu Deus!
Ou o cara desaprendeu ou tem algum inseto, quem sabe um 'vaga-lume', falando no ouvido do experiente treinador, e ele está obedecendo este 'inseto de rabo iluminado'.
Tirou Beltrán (deixando Getúlio no campo) e colocou Maurinho. Com dois minutos em campo esse jogador já colocou a mão na coxa. Com 5 minutos saiu por lesão. Culpa do Maurinho? Não, culpa de toda comissão técnica Avaiana.
No lugar do lesionado o 'vaga-lume iluminado' soprou no ouvido do técnico para colocar o Marquinhos de falso nove. E na sequência, o improdutivo Getúlio saiu machucado e mais uma vez o 'vaga-lume' soprou para o técnico colocar o Luanzinho. 
A zaga avaiana esteve bem e muitas vezes tentou ajudar o ataque inoperante. 
Novamente Romulo foi o melhor jogador Avaiano.

No primeiro tempo sem nenhum meia, no segundo sem nenhum centroavante. 
Marquinhos, que é inteligente, desobedeceu a ordem tática do 'inseto iluminado'. Recuou para a entrada da área e começou a criar jogadas com o 'ex-solitário' Romulo, mas quem estava na área pra colocar essa bola pra dentro do gol? Ninguém! 
0 x 0 

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Sem saber jogar, Avaí perde mais uma!

Avaí, novamente, não soube ganhar um jogo contra um time fraco.
Mal escalado, substituições erradas e nenhuma criativa na meia cancha.
Geninho quando resolveu colocar meias, fez o que disse que não faria: colocou Moritz e Marquinhos jogando juntos. Vale lembrar que no começo do campeonato o técnico Avaiano revesava esses dois jogadores. Marquinhos tem a bola parada e lançamentos que podem mudar a partida. Mesmo atualmente estar com menos mobilidade. Moritz está sem ritmo de jogo. Não apresenta nada.
Com Carlos Alberto e Beltran no banco, Geninho optou, nas substituições, pelo sumido Maurinho e a permanência do Rodrigão.
No primeiro tempo o Avaí teve um domínio do jogo estéril. Esteve com a bola nos pés, mas chance real de gol apenas uma bola que sobrou embaixo da trave nos pés do Rodrigão, que despertiçou.
Sem criatividade nenhuma na sua meia cancha, o Avaí insitiu em sair jogando com lançamentos do Alemão e do Ayrton. Muito pouco para o time que enfrentava um Goías que não ameçava.
Um voto pelo bom futebol do lateral Guga que conseguia levar a bola com perigo para o ataque. Mas uma andorinha não faz verão!
No segundo tempo, Geninho sacou Getúlio, que nem deveria ter entrado, e optou por Maurinho. 
Rodrigão não esteve bem, mas Beltran não entrou.
Capa não tem substituto? E a 'barriguinha' do 66?
Alemão é meia de ligação?
O Goías num contra ataque, onde Alemão não matou a origem da jogada e Judson não optou pela falta, fez seu único chute no gol. Gol!
Paro por aqui! Mais um jogo que deixamos de ganhar.

Jogando errado, novamente, Avaí perde em casa

Avaí, novamente, não soube ganhar um jogo contra um time fraco.
Mal escalado, substituições erradas e nenhuma criativa na meia cancha.

No primeiro tempo o Avaí teve o domínio do jogo, mas estéril. Esteve com a bola nos pés, mas chance real de gol apenas uma bola que sobrou embaixo da trave nos pés do Rodrigão.
Sem criatividade nenhuma na sua meia cancha, o Avaí insistia em sair jogando com lançamentos do Alemão e do Ayrton. Muito pouco para o time que não era ameaçado pelo Goiás. 
Um voto pelo bom futebol do lateral Guga que conseguiu levar a bola com perigo para o ataque. Mas uma andorinha não faz verão!

No segundo tempo, Geninho sacou Getúlio, que nem deveria ter entrado, e optou por Maurinho. 
Geninho quando resolveu colocar meias de criação, fez o que disse que não faria: colocou Moritz e Marquinhos jogando juntos. Vale lembrar que no começo do campeonato o técnico Avaiano fazia um revesamento com esse dois meias.
Com Carlos Alberto e Beltran no banco, Geninho optou pelo sumido Maurinho no lugar do Getúlio.
Não entendi!
Rodrigão não esteve bem, mas Beltran não entrou.
Capa não tem substituto? 
Alemão é meia de ligação?
O Goiás num contra ataque onde Alemão não matou a origem da jogada e Judson, não optou pela falta, fez seu único chute no gol. Gol!
Alô Geninho: se for pra dizer nas entrevistas depois de mais uma derrota que "o Avaí não tem 'condições' ($) de trazer alguém que faça gols", saiba que o Claudinei fez muitas declarações desse tipo. Não compete a vocês esse tipo de declaração pós jogo. O empregador de vocês é um Clube Profissional. Tem suas hierarquias. 
Alô Avaí: treinador tem que comentar o desempenho do seu time na partida. Apenas isso. 
Mais um jogo que deixamos de ganhar.
Paro por aqui!

quarta-feira, 20 de junho de 2018

Avaí não soube vencer: empatou

Foto: Jamira Furlani/Avaí FC

Um primeiro tempo com dois golaços, outros perdidos e o Avaí sobrando em campo.
No segundo tempo Bruno Nazário entrou e  jogou pelo lado do Capa e do Ayrton, esse mudança fez o Avaí se perder em campo. Bastou um apagão de 16 minutos e erros defensivos, para o bugre virar a partida. 
Moritz deveria ter sido saco antes por Geninho. Quando o nosso técnico mexeu no time o Avaí voltou a ameaçar o adversário com a entrada de Carlos Alberto, Marquinhos e Getúlio. O Avaí foi pra cima e numa bela cobrança de falta do M10, Beltran empatou a partida. O Avaí ainda teve a chance de vencer a partida num cruzamento do Renato na cabeça do Capa, que errou o alvo.

Faltou concentração na volta para o segundo tempo; faltou fechar o lado do Capa; Alemão errou num dos gols, Capa esteve muito mal na defesa e no ataque. Aranha precisa entrar mais em forma.
Uma pena as escapadas pelas alas não terem funcionado hoje nos cruzamentos, e nosso meio de campo ter ficando 'despovoado' por tanto tempo.
Dois golaços: o primeiro num lançamento primoroso do Romulo para Renato e o segundo, num chute belíssimo do carregador de piano, Judson.
A perda do Romulo, quase ficou sem dentes da falta que levou, foi crucial e dificultou as jogadas de ataque avaiano.
Carlos Alberto entrou bem, e juntamente com o M10 deu outra qualidade a meia cancha.
Agora é buscar os pontos perdidos fora de casa.