terça-feira, 21 de novembro de 2017

Experiência, juventude e muita raça!

Foto: Jamira Furlani-AvaíFC

O nosso Avaí de ontem na Ressacada foi o Leão que simboliza nossa raça, vontade e determinação.
Jogando contra um Palmeiras com elenco caríssimo, os jogadores Avaianos souberam se defender muito bem e depois das entradas de Luan e Lourenço, o Avaí soube contra atacar com qualidade. Os dois jogadores da base Avaiana saem do banco para transformar em vitória, o suor e a raça deixadas em campo por todos os jogadores do Avaí.

Uma partida excelente de Betão e Maicon; uma boa partida de Alemão, Pedro Castro, Maurinho e João Paulo; mais uma partida de força, determinação e entrega do Judson e de um Rômulo que não se cansa de correr o campo todo. Uma partida muito boa do nosso goleiro. Mas foi a saída de Júnior Dutra e as entradas de Luan e Lourenço que deram ao Avaí a velocidade com qualidade que faltava na raça que sobrava. Nota dez para os dois garotos da base e nota dez para o cara que simboliza, não apenas para esses dois garotos a raça, a vontade e a coragem dos Avaianos: Marquinhos Santos. Mais uma vez foi o galego que não apenas comandou a meia cancha, como foi o cara que teve a coragem de colocar a bola na cal num momento de pura tensão e decisivo. Já imaginaram se o capitão perde o pênalti? Quantos ídolos e craques já perderam pênaltis decisivos? Vários! Mas o amor do Galego pelo Avaí o impele, o encoraja a enfrentar o que poderia se transformar num erro crucial na partida, e que o colocaria como o foco da derrota. 
Marquinhos o recordista, o capitão, o ídolo e torcedor Avaiano espelha esse fazer 'côsa' que só nós Avaianos temos, valorizamos, acreditamos e apostamos nessa mística. 'Côsa' para o Avaiano é verbo. Ele conjuga em todos os tempo. Marquinhos é Avaiano e saber conjugar 'esse verbo' com a força de cada um de nós.

A qualidade do time do Palmeiras engrandece muito a nossa vitória. Uma pena que a qualidade da arbitragem em nada se compara ao jogo de ontem. Péssimos!
Nada acabou, nada está decidido, nada está findo. Temos dois jogos para lutar pela permanência, mas o jogo de ontem fica para sempre como mais um com o nosso DNA. Cada um em campo sabe disso. Foram Leões!

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

´Caio' nos salvará novamente???


Um empate no final da partida deixa o Leão respirando por aparelhos para a disputa das 3 últimas rodadas do brasileirão.
Num jogo bem disputado, o Avaí saiu na frente em cobrança de pênalti de Jr.Dutra. Em bela jogada entre Maicon e Rômulo, o atacante avaiano sofreu o pênalti convertido. (Rômulo com lesão deixou a partida para entrada de Maurinho (que começou jogando bem, mas na volta para o segundo tempo, já estava jogando muito recuando como todos os atacantes no time de Claudinei).
Com falha da zaga avaiana, Thiago Neves empatou a partida para o Cruzeiro.
Jogando com 3 volantes, só um tem bom desempenho nos jogos: Judson. A zaga avaiana é sempre muito bombardeada durantes os jogos desse brasileirão. Em algum momento, por ser tão atacada, ela tem falhado.

O Avaí fez novamente um jogo com sua linha de defesa muito enterrada, e com seus atacantes (Dutra e Rômulo/Maurinho) jogando muito atrás.  Dutra só foi jogar na posição mais avançada quando o jogo já estava a favor do Cruzeiro após uma jogada onde o Alemão falhou e Douglas chutou a bola,  Robinho fez falta no goleiro. Vuaden viu um pênalti nesse lance claríssimo de falta no goleiro Avaiano. Um erro do árbitro que não nos custou a virada, como a perda do goleiro Douglas para o próximo jogo. Porque não contente em marcar um pênalti inexistente, Vuaden amarelou o nosso goleiro que estava pendurado.
Após os 40 minutos de jogo, Caio César que havia entrado no segundo tempo, fez um belo cruzamento na cabeça de Dutra que empatou a partida. 
(Caio é um nome de boas lembranças para nós Avaianos: jogo épico contra o Santos em 2010 - presta atenção nos sinais, Claudinei)

Um empate, que como em 2010, nos obriga a vencer os 3 jogos restantes e contar com tropeços dos nossos adversários contra o rebaixamento. Com a diferença de que em 2010 o último jogo contra o Santos foi na Ressacada e o desse ano é na Vila. Existem outras diferenças, mas vamos deixar pra lá porque fazer 'côsa' é sempre fazer 'côsa'.
- Faz côsa, Avaí!!




segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Ainda dá pra 'fazer coisa'!

Uma derrota normal para o futuro campeão Brasileiro de 2017.
Esse jogo podemos até lamentar por dois motivos: o gol sofrido poderia ter sido evitado e a última bola do jogo, que sobrou para o Maurinho, não 'beijou' a rede do Corinthians. 
O Avaí jogou como pode contra um dos grandes times do Brasil numa arena com 41 mil torcedores e mesmo com todas as suas limitações táticas e de elenco poderia sim, ter empatado a partida.
No mais, tudo já foi escrito durante o campeonato.
Os resultados dos adversários diretos ainda nos mantém na luta.
Saibam que a nossa sorte, daqui pra frente, tem que ser: 1)o azar dos adversários nessas últimas partidas e  2) a mística Avaiana que muitas vezes já surpreendeu aqueles que não conhecem a história do Avaí. Outra coisa: somente esses dois fatores não se bastam. Os jogadores, somente eles daqui pra frente (a comissão técnica não tem mais nada a ver com o que resta desse campeonato) podem fazer a diferença nos próximos jogos. 

Marquinhos e Maicon terem permanecido até o final da partida desse sábado mostrou pra todos que Claudinei e Evando já estão tentando escapar pela porta dos fundos da responsabilidade que lhes cabe nesse futebol não jogado pelo Avaí durante todo o campeonato. Em nenhum jogo, nenhum, Marquinhos jogou toda a partida desde que voltou da sua cirurgia. Em todas foi substituído, fora as que nem entrou e as que só entrou quando o Avaí já estava perdendo o jogo. Apenas no jogo contra o Botafogo o galego entrou no intervalo. Nas outras entrou sempre depois do Avaí estar perdendo e quando o jogo já passava de 20 minutos do segundo tempo. Maicon jogou contra o Fluminense no turno, e voltou a ser titular nas duas últimas partidas. Ontem jogou todo o jogo mesmo Claudinei sabendo que ele não tem condições físicas para jogar os noventa minutos. Claudinei 'pagou pra gente ver' e a gente viu que ele pagou caro por sua temosia. Viu que Marquinhos é o titular absoluto nesse time e que tem sim, condições de jogar noventa minuto. E que Maicon pode sim, contribuir muito na lateral. Essas 'picuinhas' travestidas de convicção e 'respeito aos 'amiguinhos' do técnico, ajudaram a complicar ainda mais esse elenco barato desde o catarinense e inflado, não inflacionado, por 'reforços' abaixo dos 'meninos' da Ressacada.

Ainda não joguei a toalha. Não!
Se nos próximos dois jogos o Avaí empatar um e vencer outro (contando com o azar dos que estão na briga contra o rebaixamento) a mística Avaiana, sob a liderança do Galego, vai entrar em campo e o Avai vai fazer coisa
Que Nossa Senhora da Ressacada ilumine, novamente, seu filho preferido da Ressacada e a todos os seus filhos que vestem o escudo Avaiano! Amém!!

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Claudinei 'ofegou' e Carpegiani 'respirou'

Maior artilheiro da Ressacada! Foto: Jamira Furlani

Mais uma derrota que poderia ter sido evitada!
Esse é o meu sentimento pós jogo. Eu sei que o 'se' não joga, mas sei também que falta leitura de jogo ao nosso técnico no momento das substituições.
Um bom começo de jogo, o Avaí foi pra cima do Bahia com boas triangulações comandadas por Marquinhos, mas Júnior Dutra novamente não jogou nada. Todas as bolas que chegaram no Dutra foram desperdiçadas. Todas. Perdemos 3 gols no início do jogo.
Mas numa falta bem cobrada pelo maior ídolo Avaiano, e agora maior artilheiro da Ressacada, Marquinhos abriu o placar para o Avaí.
O jogo continuou bem jogado, mas numa cobrança de lateral invertida pelo bandeirinha, a jogada terminou em falta a favor do Bahia. A cobrança bateu nas tuas traves, foi afastada e sobrou para o adversário que em chute certeiro empatou a partida.
No segundo tempo Claudinei voltou com o mesmo time. O Avaí se perdeu um pouco no jogo e Claudinei precisava mexer e mexeu. Mexeu errado como sempre. 
Ora, Claudinei sabe e nós sabemos que ele sempre tira o Marquinhos do time, então porque ele tirou o Luan? Ficou sem nenhum meia que saiba jogar com qualidade. Tirou Luan para entrada do Maurinho, Dutra continuou em campo, depois tirou Marquinhos o cérebro do time, o cara que sabe não só criar jogadas para o ataque como cobrar faltas e colocou um volante, Simião. Poxa, pra quem precisava ganhar o jogo... Dutra continuou em campo. Maicon pediu pra sair e Claudinei colocou em campo Tavares. Surpresinhas do técnico. 
E lá veio o Bahia pra cima de nós!

Não sou do ramo, mas se Maicon pediu pra sair eu puxaria o Alemão pra lateral e colocaria o zagueiro Airton em campo. Foi justamento pelo lado do Tavares que o Bahia virou o jogo. Janniter de Cordes da rádio CBN-Diário perguntou dessa possibilidade pra ele. Ele respondeu que tinha que ganhar o jogo e por isso não colocou um zagueiro. O cara só pode está de gozação né??!!! Não pode colocar um zagueiro e deslocar para lateral um jogador voluntarioso e que vem jogando muita bola e que já jogou de lateral? Mas joga para vencer com 3 volantes: Judson, Simião e Pedro Castro? Deixando o seu time com um a menos no ataque (Júnior Dutra) e sem nenhum meia criativo? 

Dutra deveria ter saído para a entrado do Joel. 
Marquinhos deveria ter permanecido em campo.
Maicon jogou muito bem, mostrou porque já jogou na seleção. O cara é banco do Leandro Silva no time do Claudinei. 
Um bom jogo do Marquinhos, do Judson, dos zagueiros e do lateral João Paulo. Que se não sobe muito, não compromete na defesa. 
Claudinei hoje 'ressuscitou' Tavares! 'Mata' os caras, depois de alguns jogos tenta ressuscitar, mas não é Deus e como técnico continua 'matando' o nosso Avaí nessa série A. 
Diz aí, Carpegiani:


domingo, 5 de novembro de 2017

Coragem e bravura. Teimosia, não!

Lamentável a derrota sofrida pelo Avaí na noite de ontem.
Nosso time, sob o comando de Claudinei e Evando, não mostrou em nenhum jogo desse brasileiro, condições de se impor frente a nenhum adversário. O único esquema de Claudinei é o da destruição. Destruir as jogadas adversárias esperando-o em seu próprio campo. E jogar por um gol para vencer. Vencemos pouco, perdemos muito e empatamos outros tantos.
Infelizmente tem sido assim.
A comissão técnica trouxe algumas peças para a disputa do brasileiro. Mas não foram peças que pudessem mudar e ou mesmo acrescentar alguma qualidade ao elenco que disputou o catarinense. Orçamento curto necessita de inteligência e conhecimento de mercado e claro, de profissionais no comando que saiba montar um esquema que valorize e tire o melhor de seus comandados.
Insistindo por muito tempo no seu esquema de destruição, e ainda vendo cair o desempenho de jogadores como Júnior Dutra, Capa e Leandro Silva e alguns que mesmo não rendendo permaneceram e permanecem em campo, o Avaí se tornou presa fácil nesse brasileiro.
Quando viu que a água estava batendo no pescoço, Claudinei resolveu nos últimos jogos colocar em campo Marquinhos e Luan. Ele já tem a quem culpar: os torcedores e a impressa que pediram um Avaí mais criativo e competitivo, ao menos em casa. 
Ora, qualificar só a meia cancha não basta. Tem que saber montar um esquema tático novo, tem que ver a queda brusca de rendimento dos seus laterais. Leandro Silva falhou muito, constantemente e bisonhamente nos últimos jogos, mas assim como Castro, tem cadeira cativa no gramado. 
A luta continua para a permanência, enquanto existir possibilidade vamos estar brigando por ela. Sabemos que as 'coisas' com o Avaí são assim. Mas  para 'fazer coisa', o Avaí precisa voltar a ser  Leão. Um time com coragem para enfrentar seus adversários e com sabedoria para fazer mudanças necessárias, e agora urgentes. 
Alguém solte o Leão!!! Porque ele está enjaulado num esquema prejudicial para sua raça: Teimoso nas escalações e medroso em seu esquema tático. Tem gente, em pé no banco, que só se vê e aos seus 'queridinhos'. Não vê o jogo, o banco e novas possibilidades. #UrraLeão

domingo, 29 de outubro de 2017

Avaí lutou, mas não conseguiu vencer o tricolor gaúcho

Foto: da sempre competente Jamira Furlani (#soufã)

O primeiro tempo começou igual entre Avaí x Grêmio.
O nosso Avaí tentando com Marquinhos armar jogadas para o ataque, mas com um Júnior Dutra jogando abaixo do esperado e Luan muitas vezes tentando resolver sozinho. O Grêmio buscava o ataque sempre pelo lado do Leandro Silva, que vem tomando bolas nas costas faz tempo. Mas foi o Grêmio que abriu o placar numa bola perdida na meia cancha, e esse gol o time Avaiano sentiu muito. Se desestabilizou. Com o passar do tempo o Avaí voltou pro jogo e num belo chute do Pedro Castro igualou o marcador. 
Mas, num dos tantos ataques do Grêmio pelo lado do Leandro, o lateral Avaiano não colocou a bola para escanteio e a cobertura da zaga não conseguiu cortar o cruzamento que deu origem ao segundo gol gremista.

Para o segundo tempo Claudinei voltou com o mesmo time. Mas infelizmente Dutra continuou jogando mal, um pouquinho só de mais futebol o nosso Júnior teria feito o Avaí levar mais perigo ao gol tricolor. Luan fez jogadas lindas, mas falta ainda a nossa promessa, maturidade. Ele vai chegar lá, porque futebol não lhe falta. 
Claudinei colocou em campo Capa e Joel. O Avaí partiu pra cima do Grêmio e numa bola chutada por Betão da entrada da área gremista, Leandro Silva desviou a bola para o fundo das redes empatando o jogo novamente.
Assim como em Porto Alegre Douglas fechou o gol avaiano, na ilha Paulo Vitor fechou o gol gremista. Fez duas defesas fantásticas e a única bola que venceria o bom goleiro tricolor, parou no travessão em belo chute de fora da área de Maurinho, que havia entrado como terceira substituição de Claudinei. Avaí 2 x 2 Grêmio.

Acho que Marquinhos e Luan deveria jogar mais próximos, no jogo de hoje Luan jogou muito aberto, as vezes trocando de lado com Dutra, e distante demais do nosso camisa 10 que hoje  foi postado mais recuado no gramado. 
Um bom jogo, muita luta por parte de todos os jogadores, mesmo aqueles que ficaram devendo e um empate que nos obriga a vencer o Coritiba fora de casa no próximo jogo.
Estamos na luta!!!

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Vivas para o Avaí do primeiro tempo!!!!

Um primeiro tempo muito bom do nosso Avaí diante da Ponte Preta. 
Jogando bola e criando jogadas de qualidade na sua meia cancha, o Avaí saiu na frente do placar numa cobrança de lateral. Leandro Silva lançou  a bola na área, Dutra deu uma 'casquinha' e a bola foi nós pés do atacante Rômulo que soube girar e converter o primeiro gol avaiano. Rômulo mostrou porque é titular nesse time. Não apenas por esse gol. Rômulo recompõe a defesa com muita disciplina tática e fôlego e ainda foi dele a bola chutada que originou no pênalti a favor do Avaí. Dutra cobrou muito bem e aumentou o placar a nosso favor.
Mas o nosso bom goleiro numa jogada onde o atacante de Ponte Preta estava marcado pelo lateral Leandro Silva e já vinha fazendo falta no nosso lateral, o goleiro avaiano infantilmente cometeu um pênalti que a Ponte converteu. Antes disso Pedro Castro, numa bela jogada avaiana, teve chance de marcar o seu, mas chutou mal. 

Um Avaí bem escalado no primeiro tempo voltou para o segundo tempo com o mesmo time. Aos quinze minutos Claudinei tirou Marquinhos e a partir daí começou uma sequência de substituições equivocadas do nosso técnico. O Avaí chamou a Ponte Preta pra cima e recuou tudo o que podia.  Mas num dos poucos contra ataques em escapada da defesa o voluntarioso Alemão levou a bola com qualidade até o ataque e passou para Dutra que cruzou na cabeça do nosso zagueirão, mas Alemão cabeceou nas mãos do goleiro. Seria um gol de placa. Simião e Willians entraram mal na partida, Maicon esteve bem.  A Ponte se fartou de perdeu gols. Teve uma bola na trave, apertou o Avaí até o último segundo e por pouco, muito pouco não fez seu gol de empate no último segundo do jogo numa cabeça que passou tirando tinta da trave. Willians entrou pra fazer 3 faltas desnecessárias e ainda perder um gol na cara do gol. Simião esteve perdido nas quatro linhas. Mais um partida consistente do João Paulo, do capitão Marquinhos Santos, do talentoso Luan e do atacante Rômulo. A zaga esteve bem novamente 

Um primeiro tempo que precisa ser repetido nas próximas partidas, um segundo tempo que não pode se repetir em nenhuma outra. O Avaí do primeiro tempo nos salvará do rebaixamento, o do segundo tempo vai nos complicar.
Vitória que nos tira do Z4. Vitória para ser comemorada num jogo que quem sobreviveu ao seu final, está com o coração em bom estado.
Como me falou um amigo após o jogo: "Abduziram o Claudinei durante a semana e devolveram no segundo tempo." Credo, quase infartei!!!  Viva Nossa Senhora da Ressacada!!!

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Menos teimosia e mais M10

Emerson e M10 Foto: Jamira Furlani

Depois de muito tempo o Avaí voltou a jogar futebol, mas um minuto a mais acrescentado pelo árbitro (ele havia dado 4 e acrescentou mais um) nos fez sentir na carne a dor do 'imponderável'  que as vezes dá números a partida. Infelizmente um bola que poderia ter sido colocada pela lateral, se transformou num escanteio que deu o gol de empate para o Botafogo.
Num primeiro tempo fraco, sem inspiração, como tem sido os jogos do Avaí nesse brasileiro, Avaí e Botafogo foram para o vestiário com o placar correto: zero a zero.
Mas eis que nesse jogo Claudinei voltou para o segundo tempo com um verdadeiro camisa 10 em campo e se o nosso teimoso técnico tinha qualquer dúvida do que é capaz um jogador do  nível de Marquinhos Santos, a partir de hoje ele não tem o direito de duvidar mais. 
Decreto que está proibido! 

Marquinhos fez o Avaí jogar bola, fez seus companheiros jogarem bola e fez o Avaí sair na frente do placar. O galego além de talentoso é corajoso: é um Leão. Pois ao ouvir o apito do juiz marcando pênalti, colocou a bola na marca da cal e chamou pra si, como já fez muitas vezes, a responsabilidade da cobrança. E olha que antes quase fez um olímpico, em bela defesa de Gatito. Dutra também perdeu um feito. Que toque de bola qualificado o galego deu ao jogo. Que aula! Estou exagerando? Quem viu o jogo sabe que não. 
O Avaí poderia com justiça ter feito 3 gols após a entrada do nosso ídolo.
Marquinhos mostrou para todos que estavam na Ressacada que o Avaí não precisa apenas desconstruir as jogadas adversárias, que o Avaí não precisa apenas esperar pelo seu adversário atrás da linha da bola. Não, o 'iluminado' camisa 10 mudou a partida. Mudou porque sabe jogar bola, mudou porque soube fazer seus companheiros jogarem bola, mudou porque é Avaiano. Quem puxa aos seus não degenera! E o Avaí não fez mais gols porque o Botafogo tem um excelente goleiro. 

O empate aos 50 minutos doeu, está doendo. Mas deve estar doendo mais nos responsáveis pela escalação do nosso time. Empatar com o Botafogo seria até aceitável, afinal o time briga por vaga na libertadores, se Claudinei & Evando não fossem tão teimosos em jogos que poderíamos ter jogado mais bola; se não tivessem insistindo em deixar o galego no banco. Atlético Goianiense, Atlético Mineiro, Vasco e Fluminense. Nesses jogos ele entrou quando já perdíamos e sempre depois dos 20 minutos do segundo tempo. 
São esses jogos e os pontos perdidos neles, que estão fazendo falta para o Avaí.
Que pena!

domingo, 15 de outubro de 2017

Sem saber mudar... inventou!


Claudinei não mudou nada. Apenas inventou.
A nossa sorte é que a tabela também não mudou, continua praticamente a mesma. Muitos times lutando contra o rebaixamento e isso nos deixa com chances de permanecer na A. Mas se o Avaí não começar a jogar um pouco, um pouquinho de bola, vamos lamentar e muito ao final do Campeonato.

Hoje no Rio o que Claudinei fez no primeiro tempo é incompreensível. Ele deslocou o Luan para jogar aberto fazendo as vezes do Dutra e matou o nosso criativo meia. Aberto e sem ter a bola nos pés, Luan ficou sumindo. Tão sumido como andam a muito tempo o Juan, o Pedro Castro e o João Paulo. João Paulo que ele resolveu colocar no lugar do Capa. Como se os problemas do nosso time fossem apenas o Capa não estar rendendo tanto quanto já rendeu. Lucas Lovat deve ser um perna de pau.  Dutra também não vinha bem nos últimos jogos, mas na entrevista coletiva do Claudinei , após o jogo, ele afirmou que o Dutra fez falta e por isso rendemos pouco no ataque. 
Rômulo deveria ter entrando jogando no lugar do Dutra. Luan e Marquinhos na meia. Capa na lateral. Mas como ele também disse na coletiva que nem pensou em sair jogando com o Marquinhos... justifica-se a escalação que ele inventou pra manter o galego no banco.

Um péssimo primeiro tempo. Pois ele voltou com o mesmo time. Quando colocou Rômulo e Marquinhos jogamos bola. Mas não o suficiente pra conseguir furar a retranca de um adversário que se armou, no segundo tempo, para não sofrer o empate. O Fluminense estava em crise e precisava vencer o jogo. Venceu.
Qual é o problema dessa comissão técnica? Cada jogo eles estão 'matando' um jogador com qualidade. Mas o Pedro Castro não morre nunca. Fica sempre em campo. Joga no lugar do Marquinhos, do Judson, do Simião, do Luanzinho... joga muito esse Pedro.

Estamos na luta, ainda com chance de permanecer na elite, mas como venho dizendo aqui faz tempo: Claudinei precisa se reciclar, deixar de ser teimoso e parar de proteger seus 'queridinhos'. Ele é técnico do Clube, não dos jogadores que ele diz 'respeitar' . Marquinhos e Rômulo?  O Lovat nem fica no banco. Pedro, o 'craque polivalente', veio e se foi o Lucas Chapecó. 
Nosso elenco é limitado, mas tenho certeza que sabe jogar bola. Se eu não acreditar nisso nem vou mais nos jogos. Tem jogador que sabe jogar bola sim, e sabe fazer o time jogar mais. Mas está difícil do Claudinei ver isso. 
Se jogar um pouco de bola, volto a repetir, o Avaí permanecerá na série A. Mas entrar em campo com um time só pra destruir... Nós não estamos jogando futebol. Quem sabe jogar futebol está sendo queimado por esse esquema. Queimado no campo, ou queimado fora de campo. 
O Avaí não deu um chute na direção do gol durante o jogo. Ou melhor deu um: no segundo tempo Marquinhos fez o corta luz numa cobrança de escanteio e Luan chutou no gol. Passou perto. Só!  

Fluminense 1 x 0 Avaí. Avaí teve um gol anulado, assim como o Fluminense.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Ainda dá tempo

Uma derrota que acende a luz vermelha, mas que ao final da rodada, diante do resultado dos nossos
adversários na parte de baixo da tabela,  nos permite e nos dá tempo pra colocar nos trilhos o nosso time para reagir e sair dessa situação delicadíssima.
Nem tudo está errado, nem tudo está certo.
É necessário que Claudinei reveja algumas escolhas de acordo com o andamento da partida.  Ele tem seu esquema, mas o campeonato está exigindo mudanças táticas para o Avaí. Os adversários precisam ser surpreendidos também.  
O que  a comissão técnica precisa ver é que se acreditam que Marquinhos não pode ser titular, precisam ter em mente que ele pode ajudar e muito na competição. A demora em colocar o Galego no time, a demora em mudar o esquema tático durante as partidas tem nos deixado sem reação, sem mudanças que permitam ao time mostrar algo novo.
Jogadores como Júnior Dutra, Leandro Silva, Joel e Capa estão deixando a desejar. Precisam voltar a jogar com mais intensidade. Nossa meia cancha sabe desarmar e isso é pouco. Pedro Castro é volante, não um meia de ligação. Luan Pereira já mostrou que precisa estar em campo. Marquinhos sabe não apenas mudar o ritmo do jogo. Sabe dar alma ao time, sabe cobrar faltas e mais, preocupa o time adversário. O Vasco mudou seu esquema tático quando ele entrou em campo.
Claudinei precisa diversificar seu trabalho, seus treinamentos e seu time em campo quando se faz necessário. 
A luta continua e temos sim, chances reais de permanecer na série A.
#vaipracimadeleleão